domingo, 22 de março de 2009

INFANTICÍDIO INDÍGENA - Polêmica deverá se abater sobre yanomami


Iniciou no Brasil um movimento contra o infanticídio indígena praticado em aldeias brasileiras, encabeçado por lideranças indígenas, parlamentares e entidades defensoras da vida. Ontem no auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, aconteceu o ato “Em Defesa da Vida e da Família”.
Em Roraima, os povos yanomami são conhecidos pela prática de matar crianças, após o parto, que nascem com problemas de saúde, deficientes físicas e até mesmo um dos gêmeos. Faz parte da cultura, embora muitos profissionais de saúde, há tempos, tentem fazer acompanhamentos a fim de evitar o infanticídio.
Números preliminares de 2008, comparado ao ano anterior, mostram uma queda no índice de mortalidade infantil na área yanomami, através da prática dessa prática. Enquanto as conveniadas que prestam serviço de assistência à saúde na área registraram 31 infanticídios em 581 nascimentos, em 2007 chegou a 58 entre 825 nascimentos.
Ressalta-se que os números de 2007 já estão consolidados, enquanto os do ano passado podem sofrer alteração. Paralelamente a isso, o movimento nacional que questiona essa cultura em várias aldeias deverá gerar uma grande polêmica em Roraima, principalmente sobre a etnia yanomami.
A coordenadora do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) Yanomami, Joana Claudete Schuertz, explicou que o infanticídio faz parte da cultura desse povos e que eles não gostam que se fale na questão. Ele entendem que é o mesmo que o aborto praticado pelas brancas, que quando o fazem, não divulgam ou falam sobre o assunto.
Com experiência em área, inclusive tendo evitado vários casos de mortes de crianças consideradas naquele momento como indesejadas pela mãe, Claudete comenta que existe forma de evitar que o infanticídio aconteça. Basta que o profissional mantenha um relacionamento de confiança com índia.
Através dessa relação de confiança pode se evitar a morte dos recém nascidos. “Quando a gravidez é indesejada, sempre as indígenas dizem que não querem o filho, isto quando tem um bom relacionamento com os funcionários que trabalham na área de saúde. Cabe aos funcionários ajudarem nesta questão, como fazem os missionários. Na região da missão ocorre menos infanticídio”,
Sobre os números registrados, a coordenadora ressaltou que é preciso ter um acompanhamento melhor no levantamento dos dados e em área indígena também, pois os números são altos. “Não vejo que todo número que apareça seja verídico”, comentou.
Para este ano, o DSEI Yanomami está planejando realizar reuniões periódicas com as indígenas para conversarem sobre a saúde da mulher.
A Hutukara, associação que defende os interesses dos yanomami, mas nenhum dos membros da etnia se encontrava na cidade para comentar sobre esse movimento nacional. (Rebeca Lopes)

9 comentários:

  1. Estão esquartejando uma criança???

    ResponderExcluir
  2. Toda essa situação é ridicula
    e ainda mais quando as nossas autoridades ficam de braços cruzados.
    Nessas eleições devemos procurar saber qual é o posicionamento de cada candidato quanto à isso.
    Pois existem projetos de lei tramitando no congresso nacional falando sobre isso.

    vamos melhorar o BRASIL

    ResponderExcluir
  3. Pois o PT é o único partido a favor do infanticídio, legalização de aborto, drogas e união de homossexuais. Procurem saber! Suplico que ngm vote em candidatos do PT!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. uma pessoa desinformada como vc só diz besteiras,uma calamidade para o Brasil e uma vergonha para sua família!Vai lavar um bom tanque de roupa que vc ganha mais,ao invés de caluniar quem está transformando o Brasil em uma nação desenvolvida e sem miséria.Seu lugar deveria ser numa penitenciária ou em um manicômio que é o lugar ideal para os psicopatas!

      Excluir
  4. O PT vai acabar com o restante de moralidade e bom senso desse país.

    ResponderExcluir
  5. Essa foto não condiz com o ritual, esse feto é de um animal, e não de um bebê yanomami. O homem yanomami não participa do parto, usaram a foto de forma grotesca e sem fundamentos da realidade da cultura yanomami. Os conheço desde 1999 e descordo de algum partido possa interferir em questões puramente culturais. O que o PT ou qualquer outro partido poderia fazer, é combater a fome, as crianças se prostituindo nos farois, vendedo drogas ou consumindo as consumindo. Nossa cultura requer um olhar mais humano. Pois os yanomami não precisam de terem sua cultura deturbada.

    ResponderExcluir
  6. O que os yanomani nao precisam é de pessoas coniventes com a morte indefesa dos seus filhos. O que os bebês precisam é de alguém que os protejam. Ninguém precisa matar e ninguém deve morrer. Isso que vc chama de cultura eu chamo de assassinato!

    ResponderExcluir
  7. Olá, meu nome é Mahatney, sou estudante de direito das faculdades Opet de Curitiba.
    Após ler sua maravilhosa narração fiquei muito curioso sobre tal assunto. Gostaria de ir mais afundo com relação a essas informações. Gostaria de sua ajuda para conseguir mais algumas informações e opnião sobre este polêmico ato cometido por tribos indígenas. Meu e-mail é mahatneybraga.adv@hotmail.com, se possível favor adicionar! Obrigado

    ResponderExcluir
  8. caralho que merda !, a amazônia continua selvagem e temos que olhar aqui primeiro nesse gasto público burro !!!!

    ResponderExcluir